segunda-feira, 5 de maio de 2008

O meu irmão

Onze anos mais novo que eu - e não se deixem enganar pelos lindos olhos azuis e cabelo loiro de anjinho - era uma verdadeira peste!
Destruía as minhas coisas, as dele e as de quem apanhasse. Destruiu videos e aparelhagens. Fugia da cama de grades levantando o colchão e tirando as traves do estrado. Partiu a cabeça pela primeira vez com um ano e pouco e a última, que me lembre, aos 15 ou 16 (pelo meio perdi a conta). Eu própria parti a cabeça pela primeira vez, e única, aos quinze anos, por causa dele, claro. Ficava preso debaixo de móveis que lhe caíam em cima depois de os ter tentado trepar. Até aos três anos recusava-se a comer tudo o que não fosse hamburguer com massinhas e ainda assim a minha mãe demorava mais de uma hora em cada refeição. Sofria de falso croup e ainda esteve internado em santa maria algumas vezes por causa disso, outras em observação depois de quedas aparatosas de skate, patins e bicicletas, e uma vez também para uma lavagem ao estomago depois de ter apanhado uns comprimidos de alguém lá em casa. Tinha imensas otites e febrões altíssimos, para lá dos quarenta, e nunca parava, nunca esteve de cama. Uma vez até acordou o meu avô da sesta no sofá acertando-lhe com uma bola de bilhar no cucuruto da cabeça e a mim espetou-me um garfo numa coxa. Fez xixi na cama até tarde e na idade em que começou a comer alarvemente de tudo e mais alguma coisa, nunca dispensou (até hoje) as viagens nocturnas à cozinha para petiscar, mesmo até a dormir (teve uma altura em que era sonambulo e outra em que tinha imensos pesadelos!). Nunca estava penteado senão quando o meu pai lhe rapava o cabelo e as camisas nunca estiveram mais de três segundos dentro das calças. Era uma verdadeira canseira ficar com ele mais do que dez minutos. Nunca andou, sempre correu. Começou a falar tarde mas nunca mais se calou. A escola foi sempre um desastre até chegar à faculdade. A sua caligrafia é tenebrosa, mais eléctrica que a sua infância e ainda quase igual aos gatafunhos que fazia na primeira classe.
Tenho fotografias dele no frigorífico, inspiram-me, porque se ele hoje tem 19 anos e é calmo, e um porreiro, tudo é possível!, e o facto deste Minúsculo estar a começar a destruir bonecos e a empilhá-los para também ele fugir da cama de grades ainda/já não me stressa : )


no meu frigorífico, originally uploaded by supertatas.

11 comentários:

Manhã de Inverno disse...

Pois, eu também tenho um irmão 11 anos mais novo! Mas não era assim como o teu! Estou a ver que o teu filho tem a quem sair, lol!

Mas tenho que confessar que lá em casa eu é que era a terrível quando era pequena... e parece que este meu piqueno saí à mãe na asneirada... ai ai... :D

Mamã Pirata disse...

Hahahahah!

Está explicada a tua paciencia e calma pro minúsculo estás vacinada com o mano.
Bem "que diabrete"...lol.E agora será que tens um minúsculo igual?

Kikarago....

Bjs.

Mãe da Tiz disse...

Tou em transe com a descrição do teu irmão... Mas não me espanta nada que ele agora seja calmo... Tenho um primo que era assim tipo pestinha na infância e ao entrar na adolescência, transformou-se numa pessoa muito calma e serena.
Por isso é que as crianças muito calminhas me assustam... um dia elas vão mudar ;)

Adorei a foto das fotos do teu irmão, que por sinal deve ser um autêntico borracho. E adorei as molduras!Eu adoro imans no frigorífico! Mas onde foste tu arranjar molduras tão giras???

Beijos***

Ana disse...

Ahahahahhaha!
Lindo...
Bem que se costuma dizer: "quem sai aos seus não é de Genebra" ;)
Bolas, até fiquei cansada só de ler o relato!! :)

Ana disse...

Ah!..e tenho uma matrioska igual a essa no meu frigorífico :P

Sonia&Mi disse...

AHAHAHA
adorei este post, tb tenho um irmão mas nunca foi assim tão energico :D

Patrice disse...

Acho q os irmãos mais novos das sagitarianas eram umas grandes pestes. O meu, não 11 mas quase 9 anos mais novo, era do pior e revejo na minha pequena tumtum os genes do tio, o que me deixa bastante horrorizada sobretudo porque eu sempre quis ter um Calvin, como se não me tivesse chegado ter um irmão daqueles. E, repara, a minha tumtum partiu a cabeça aos 16 meses... espero que pela 1ª e ultima vez. Mas os genes... os genes estão lá... e tenho momentos de déjà vue que me deixam muito angustiada.

Caramba, continuo a achar que na minha vida não é uma cruz que carrego mas sim o tronco inteiro!

;oD

(estava a ver se me lembrava da saída do teu irmão em minha casa sobre um jogo da PS...)

Mariah disse...

Oh meu Deus, se o Minúsculo herdou essas qualidades, estás feita, lolol.
beijos

Mónica disse...

Ah, então já estás vacinada... tudo o que o Minúsculo fará será pouco ao pé daquilo que o teu irmão foi capaz :)

A foto do cão sem olho está o máximo!!!

Mãe do Miguel Afonso disse...

Eehhhh. Eu tenho um irmão 9 anos mais novo mas sempre foi super calminho ... nada a ver com o sobrinho para meu azar!!

Acho que já tens uma grande experiência porque no fundo deves ter sido como uma segunda mãe (pelo menos foi assim comigo). Deve ser por isso que tens muita calma e paciência e nunca te queixas das birras do teu Minusculo.

Bjs,
Ana

Supertatas disse...

patrice: ahhahah, as caseiras, por oposição às.. enfim :D