terça-feira, 30 de setembro de 2008

Antigamente I

Por vezes vestiam-nos de igual e cortavam-nos o cabelo de formas inimagináveis.

Legenda - Em Angola, nos anos 80. A minha irmã (mais à esquerda), um menino nosso amigo do qual não me lembro do nome e eu.

*Aqui se inicia uma série de fotos antigas que quero recuperar e que mostram a minha infância.

domingo, 28 de setembro de 2008

Hoje, um ano e quatro meses

(Igual a dezasseis meses, para me situar, que devo ser a única mãe que já não se entendia com a gravidez às semanas quanto mais com a idade do filho aos meses).
E quando o M. entrou pela nossa porta adentro, para um dos habituais convívios, envolveu-nos numa saudação tão efusiva que acordou este Minúsculo (estava no seu sono reparador de beleza há cerca de uns míseros 15/20 minutos).
Foi portanto uma tarde muito agradável, brindada pelo humor irascível do mesiversariante que por volta das 19.45 se aborreceu de tal soberba maneira que se foi deitar sozinho :/

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Sondagem: ensino público ou privado?

Caríssimos
O que vos apraz dizer sobre este tema:

Escola pública ou colégio privado a partir dos 3 anos?
É votar e explicar porquê.

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

A meia elástica

Enfeza-me!!
E a imobilidade das muletas enfada-me.
Voltámos então à normalidade, um tanto ou quanto mancos mas já pouco inchados.
A parte mais gira disto tudo foi ver o Gandhi com este Minúsculo, que não só aguentou o filme quase todo comigo, e com o chupêtão, no sofá como estava tão entusiasmado que até bateu palmas nos discursos do senhor juntamente com as multidões indianas : ' )


o regresso à normalidade, originally uploaded by supertatas.

terça-feira, 23 de setembro de 2008

O meu pequeno ovário e eu

Ontem visitámo-nos, para matar saudades, e eu fiquei tão feliz, animada e cheia de contente com o reencontro e as boas novas que, pensando que era leve como uma borboleta, poderia esvoaçar pelas avenidas novas de Lisboa impune, espalhando alegria por todos os seres vivos, mas não, claro que não!; entretida a enviar sms a contar as novidades aos ventos caí logo à saída do prédio do ginecologista, tudo por causa de um passeio que eu juraria que não existia. Poderia até ter dado um mindinho para atestar a minha crença। Ainda bem que não o fiz, obviamente.
Tive uma dor tão grande no pé que, e porque sou fraquinha e dada a estas velaturas, por instantes - muitos ou poucos, não sei - desmaiei. Quando dei por mim estava a acordar nos braços do Porfírio, um jovem transeunte simpático que me acudiu e assustado ligou para o 112. Era um verdadeiro cavaleiro andante; com uma armadura no maxilar de cima e outra no debaixo, outra ainda mais robusta em frente aos olhos - acho que tinha olhos, não posso garantir porque não via nada definido a mais de 50cms - e isto é tudo quanto me lembro, para além das suas insistentes perguntas para me manter acordada: Como se chama o Presidente da República? (Estive quase para lhe responder Ramalho Eanes, só para descontrair, que ele estava mais aflito que eu, ou pelo menos assim parecia.) Em que ano estamos? Consegue dizer Porfírio três vezes? Diga Porfírio três vezes, DIGA!!! (Ninguém diz Porfírio, quanto mais três vezes - pensei, ainda assim disse-o que sou bem mandada)
Num ápice já estava numa ambulância do INEM aos pulos pela Almirante de Reis a pedir que me atassem à maca para não me esborrachar no tecto e que por favor não perdessem os ovários; leia-se os exames - coitadinha, já nem sabia o que dizia, às vezes faço-me mesmo muita peninha, oh deuses! - aqueles que trago sempre comigo naquela pastinha verde que guardo como a minha própria vida há mais de um ano.
Estive horas em S. José numa maca manobrada pelo meu pai (que entretanto chegou avisado pelo Porfírio "O Salvador", devia agradecer-lhe - a ele e à Xana por me manter a pedicure em dia - não sei como, mas pronto, aqui fica um abraço sentido, pode ser que um dia ele descubra este blog) e muito mal manobrada, diga-se, que uma vez até me atirou contra uma parede e à saída não me conseguiu empurrar a cadeirinha de rodas por aquelas sete simpáticas colinas acima, o que não se percebe, pff, afinal eu ontem estava uma verdadeira borboleta, leve levezinha de tanto júbilo e regozijo. Enfim.
Bom, importa é rematar que afinal o pé não está partido, tenho apenas uma rotura de ligamentos, tenho que repousar, usar uma meia elástica, por gelo de hora a hora, tomar mais remédios, andar de muletas...
Oblá! Mas e agora? Ein? Como faço para cuidar deste Minúsculo confinada um par de muletas??
Enfio-me em casa dos meus pais. Com certeza.
E já estou aborrecida, claro, que a minha mãe não me deixa fazer nada : (

Decidi, portanto, que amanhã já estarei fina.

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

1 Mês

Faz hoje um mês que nasceu o Camarão :)

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Mesmo Minúsculo

:' )


Minúsculo, originally uploaded by supertatas.
(está esquisita a foto, o fotómetro avariou, mais tarde o rolo também encravou. snif.)

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

O meu filho usa cor de rosa

Descobri hoje que umas calças e uma camisa que comprei ao Camarão são da colecção de menina de uma conhecida marca.

Não quero saber: a educação para a cor começa desde já. As peças são muito bonitas e ele vai usá-las :)

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Porque

Tenho um Minúsculo assim, reivindicativo, a dar sopa na sopa, amanhã também fico para almoçar na creche.  A ver se...

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Hoje

Entrou pela escola adentro a pé sozinho e foi direitinho à sua sala de aula, onde me disse adeus e foi a correr para o cesto dos carrinhos gritando: CARRO!!
Como ontem o dia correu bem - à parte da birra para mudar a fralda, cuja gritaria ouvi enquanto atravessava o recreio para o ir buscar  - a educadora pediu-me para que ele ficasse para almoçar. A ver  como corre : )

segunda-feira, 15 de setembro de 2008

Legos por todo o lado


Lego, originally uploaded by juliana_way.

É a mais recente brincadeira. Entretem-se sozinho com os legos,muito calminho, desde que eu ou o pai estejamos ao pé dele. As tomadas, a Playstation e os cabos do DVD agradecem, já que agora têm algum descanso. Apesar de continuar muito vivo e eléctrico, noto-lhe já alguma diferença no que respeita a ficar sentado, focado numa brincadeira durante mais de dois minutos. Os legos são a melhor brincadeira, mas também gosta muito de brincar com uma bola insuflável.
Depois de quase duas semanas na creche, a chegada a cada dia já é mais pacífica e já não o deixo num pranto. Claro que já está ranhoso, constipadíssimo e com a garganta inflamada, mas creio que coincide também com o nascimento de um enorme molar (o único que consigo ver) além dos já veteranos oito dentes que já tinha.

domingo, 14 de setembro de 2008

Amanhã de manhã

Este Minúsculo,

em vez de andar a desenhar os meus lençois, irá 
estrear-se na escolinha : )
Quantos dias até à primeira doença? Aceitam-se apostas!

lápis de cera, originally uploaded by supertatas.

sexta-feira, 12 de setembro de 2008

As maminhas já não se queixam


Pois é, bem me esforcei por alimentar o rapaz a leite materno (e foi até mais difícil do que estava à espera), mas nada feito.


Passaram quase duas semanas desde o nascimento do Camarão e não havia maneira de ele recuperar o peso à data do nascimento. Pelo contrário, não parava de emagrecer. Assim, o pediatra ordenou a introdução de leite em pó - todo o que quisesse. Ainda me disse para dar de mamar - não mais de 10 minutos - mas a minha confiança no meu leite foi-se completamente. Por isso preferi dar-lhe sempre leite em pó até que recuperasse o peso do nascimento - o que ainda não atingiu (mas a este ritmo é questão de dias). São incontestáveis as virtudes do leite materno, mas deixar o pequeno passar fome, isso é que não.


quarta-feira, 10 de setembro de 2008

No fim

Do dia. 

E das férias, quase : (

fim, originally uploaded by supertatas.

Fez dói-dói foi bebé?


Dóidói I, originally uploaded by juliana_way.

Foi. Com quase 17 meses partiu a cabeça. Nada de grave, não levou pontos, mas foi o suficiente para eu saber que não sabia nada sobre primeiros socorros, valeu-me a minha irmã, mãe de dois e educadora de infância, um verdadeiro Dr. House dos pequeninos. Serviu também para eu perceber que entrar em pânico não é a melhor solução e que perante o sangue a jorrar-lhe da testa, não devo chorar como uma madalena, mas sim acalmá-lo.
Depois de bater contra a esquina de uma mesa, foi este o resultado. Passado 10 minutos já estava eléctrico outra vez, a rir-se e a dançar, sempre na iminência de bater lá outra vez.
Queria estar enganada, mas acho que esta vai ser a primeira de muitas.

domingo, 7 de setembro de 2008

As maminhas estão doridas, mas o pequeno compensa tudo :)


quinta-feira, 4 de setembro de 2008

"São fases..."

Está a ser díficil esta reintegração do M. no infantário. A sala é nova, tem alguns colegas novos, mas as educadoras são as mesmas. No entanto, nestes dois dias, saí de lá com ele num pranto indescritível. Ontem esteve a chorar toda a manhã, não só porque provavelmente não lhe apetecia lá estar, mas também porque adormeceu e passado 20 minutos tiveram de o acordar para lhe dar o almoço.
O M. não é um bebé mariquinhas, é um porreiraço, que está quase sempre bem disposto e sorridente, só que esta fase de regresso ao infantário é dura para quase todos os miudos, sobretudo nesta idade em que é muito evidente a ansiedade de separação.
Se a nós adultos nos custa voltar ao trabalho passadas as férias, imagino a eles depois de férias, praia, mimos sem fim, rotinas menos rígidas...
Nós só não choramos quando chegamos ao emprego porque não podemos.
Em relação à fala, a última novidade é que diz "côcô" (assim mesmo, neste tom quase afrancesado) quando tem a fralda suja, o que alem de ser mais uma palavra, é muito útil.

segunda-feira, 1 de setembro de 2008

Sabemos que devemos continuar de férias

quando:

- A caminho da creche ele bolsa o leite (coisa que já não fazia desde os 6 meses), ficando a cheirar a azedo;
- Chegamos à creche e nos dizem:

-"oooh mãe, esqueceu-se que estamos fechados para limpezas até quarta-feira"?
-"não me poderia ter esquecido uma vez que não avisaram".

- Ele chora porque afinal não ficou na escolinha sobre a qual eu falei durante todo o mês de Agosto porque a mesma está fechada para limpezas.

- Os colegas do trabalho nos perguntam pela 84ª vez e sem querer realmente saber a resposta:

-"Então essas férias?? Curtas, não é"?

- Nos sentamos à secretária e descobrimos que não nos lembramos de nenhuma password de entrada nos programas.

BOM DIA!!!