sexta-feira, 31 de outubro de 2008

Post de halloween :D

Quem é que não se assustaria, ein?

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

Update II

O M. continua em casa doente. A febre já deu tréguas, mas continua sem comer nada (tem passado um dia inteiro com umas colheres de papa, um danoninho e leite à noite). Segundo o médico que o está a seguir, o não comer é normal nestes quadros de gasto-intestinais. O problema é que ele ontem quase não fez xixi, o que levou o pediatra a falar em internamento, caso o problema continuasse, por desconfiar de desidratação. Hoje as coisas já correram melhor, já bebeu mais líquidos e molhou mais fraldas, o que me faz respirar de alívio.
Quanto à alimentação, é apostar em coisas frias e doces. Se comer, come se não comer paciência (palavras do médico). O que é importante é que beba. Tem a boca cheia de aftas e deve custar a engolir.
Apesar de tudo, continua bem disposto, sempre a brincar e a dançar ao som dos cd's que lhe vou dando a ouvir. Prostração não é mal de que ele sofra.
Faz hoje 18 meses, ano e meio e como já é habitual por altura do seu "mensário", está doente.
Agora é ter paciência e esperar que tudo isto passe.

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Neste natal

É um destes, faxavôr.

39,8 º

E como este miúdo é uma enciclopédia viva de doenças variadas, agora está (desconfia o médico) com uma estomatite aftosa.
O fim de semana passou-o bem, mas hoje acordou cheio de febre. Chegou aos 39.8 º, altura em que o despi todo, deixei-o apenas de fralda e dei-lhe um benuron. Agora está medicado com Lactogermin (para a diarreia) e um gel anti-micótico para pôr na boca.
Não come nada a não ser "tutus " (iogurtes) e fruta em boião. Tem a boca cheia de aftas que lhe devem doer muito.
:(

sexta-feira, 24 de outubro de 2008

Regresso


300px-rorschach1, originally uploaded by juliana_way.

Passados 8 anos do final do curso, estou de volta à Psicologia. Depois de ter terminado a licenciatura só trabalhei um ano nesta área. Depois, por circunstâncias da vida, segui outros caminhos.
Agora regresso, à minha área de eleição, a psicologia clínica e o Rorschach (este é um dos cartões deste teste) em particular.

Hoje passam 5 anos do dia em que me casei. Também uma sexta-feira, mas chuvosa e cinzenta, onde todos os convidados chegaram atrasados, porque o trânsito no IC 19 estava um caos e a boda era em Sintra. Venham mais 5 mais 10 ou mais 40 anos. Sou muito feliz com ele.

O M. está bem e recomenda-se, anda numa fase muito conversadora e divertida, a dormir e a comer bem.

quarta-feira, 22 de outubro de 2008

Conselhos da minha empregada

Porque estou ainda em casa, de licença de maternidade, tenho coincidido algumas horas com a minha empregada. Mas estas horas têm sido muito proveitosas para aprender alguns truques:

1ª Dica: como secar o leite?
De acordo com a minha empregada, basta que a mãe coloque um raminho de salsa debaixo de cada sovaco. Aposto que não sabiam desta...

2ª Dica: como parar os soluços de um bebé?
Basta colocar-lhe qualquer coisa vermelha na testa.

Esta última dica foi já tentada cá em casa. Enquanto eu me arranjava nesta última vez em que a Senhora esteve em nossa casa, e perante um ataque de soluços do Camarão, fui dar com ele com um bocado de lã vermelha na testa.
Vá lá que o meu leite secou rapidamente e não foi preciso andar com salsa debaixo do braço.

Esta manhã

Bem cedinho, debatendo-me para estar consciente, carregadinha de remelas, ainda apijamada, pouco antes da hora da higiéne mas atrasados para a escola, dava eu o pequeno-almoço a este Minúsculo quando ele interrompe o seu leite para me pegar numa madeixa de cabelo desgrenhado e comentar com ar enfadado: 'tá suje!
Mas o que é isto, ein?
O que é que ele quer?? Que lhe prepare o mata-bicho já apolínea de decote em v, com as mamas todas insolentes, cintura demarcada, de preferência já com um pouco de blush enquanto me equilibro em cima de uns Manolo Blahnik???

GAJOS... PXÉ!

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Começa cedo

A educação fotográfica deste Minúsculo!
; )


A educação, originally uploaded by supertatas.

segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Vacina da gripe

Sim ou não?

Costumam dar aos vossos bêbês?
Que dizem os vossos soutôres?

quinta-feira, 16 de outubro de 2008

Sou só eu?

Que estou sempre a perder os pares das meias dele?


estendal, originally uploaded by supertatas.

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

1 ano 4 meses e 2 semanas

E o 1º remédio.
Desde que entrou na creche já esteve doente duas vezes - viroses, pxé. 
Andei por aí a pensar que, coitadinho, esteve tanto tempo em casa que não tinha defesas nenhumas, mas hoje no regresso à rotina vi que foi dos primeiros a voltar juntamente com outros dois. 
O resto ainda está tudo de quarentena!
Afinal, afinal... ; )


, originally uploaded by supertatas.

Praticamente

Desde o dia em que nasceu que me dedico a ensiná-lo a viver harmoniosamente em sociedade, dizendo-lhe certas coisas - Ohhh, não podes chorar assim meu pecaninu...- claro que, mais ou menos desde a mesma altura que se está nas tintas para o que lhe digo e sempre gostou de se fazer notar em alto e bom som.
Mais tarde a coisa começou a tomar proporções menos subliminares; desde que começou a fazer do chão tambor, a arrastar carros de um lado para o outro ou mesmo jogar ao berlinde com tupperwares começou a ouvir frequentes apelos à sanidade mental dos vizinhos de baixo e avisos sobre uma eventual explosão de mau feitio da parte deles - Cuidado!! Olha os vizinhos!! Vai brincar para o tapete!
Agora, com um ano e quatro meses quando me vê chegar com as narinas meio dilatadas levanta-se põe um dedo em frente da boca - shhhhhhhhhh - depois põe-se de cócoras e aponta para o chão, mostrando que tem consciência que eu lhe disse existe algo para além dos tacos de madeira, mas depois ri-se, e continua a fazer o que estava a fazer com um arzinho daqueles eu-quero-mazé-que-os-vizinhos-sa-#&#%"$!!!
Posto isto, ou compro umas pantufas para todos os objectos da casa ou em breve seremos expulsos do prédio.

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

Músicas da minha infância








É simplesmente ternurento ver o Pai do Camarão cantar-lhe, no meio da cozinha, a música do "Era uma vez o Espaço" :')

(é idiota, mas emociono-me cada vez que ouço esta música; e ouço-a bastantes vezes).

Neste país

Não se fazem autópsias ao fim-de-semana e à segunda-feira os senhores estão de folga!!!!!!!

Olha que... ehpah. Não acho normal : /

Cheiros

O cheiro de um bebé é o melhor cheiro que há no mundo. Cada vez que o tiro do berço, impregnado do cheirinho dele, apetece-me ficar por lá :')

A vantagem de um febrão

É que tenho um novo pretexto para lhe beijar a testa mais mil vezes por dia : ' )

Se a perfeição tivesse um nome


João Maria, originally uploaded by juliana_way.

... chamava-se João.

* O meu sobrinho, mais conhecido por pequenitates.

domingo, 12 de outubro de 2008

Pantufas


pantufas, originally uploaded by juliana_way.

A vizinha de baixo por vezes queixava-se, gritando para que eu ouvisse que os passos do M. a incomodavam.
Optámos por estas pantufas da Serra da Estrela, bem quentinhas e silenciosas.
Quase a fazer 18 meses, dança por tudo e por nada, basta tocar um telemóvel ou cantarolar-lhe uma música. Leite é "tutu" e iogurte é "tu", caixa é "cá" e por isso continua nos monossílabos.
Entende tudo o que lhe dizemos (embora não obedeça) mas falar continua a ser um exercício complicado. Não faz mal, à sua maneira, lá se vai fazendo entender.
Estes dias chuvosos são passados em casa, de roda das tampinhas, molas da roupa e muita música porque tenho em casa um bailarino em potência.

A família deste Minúsculo tem 3

Pyzam Family Sticker Toy
Get your own Family Sticker Maker & MySpace Layouts.

Silvestres : D
Estamos ou não estamos parecidos, ein?

sábado, 11 de outubro de 2008

72 horas

Depois consigo, finalmente, dar um beijinho à minha amiga - depois de ela ter estoicamente terminado o parto, e uma mini-cirurgia para tirar a placenta, por volta das 4 da manhã - e chego a casa a querer muito acreditar que amanhã ela já irá dormir na sua cama e que daqui por uns largos meses vou anunciar o nascimento de um filho seu.

Uma grande mulher, ela : )
Um grande homem, ele : )


Com tudo isto, com todas as conversas que tive, os comentários aqui, os mails que recebi, as histórias que já conhecia e as novas que ouvi e li, cheguei à triste conclusão que, infelizmente, toda a gente conhece uma ou várias pessoas que já passaram por isto; todas da mesma forma e umas até pior - que as mandam para casa esperar, às vezes até uma semana! - coisa que eu nunca imaginei que no século xxi ainda se passava assim nestas quantidades e qualidades : (

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

48 horas

E 5 dedos de dilatação.
Por favor digam-me que não há perigo para ela ter o bebé assim tanto tempo lá dentro.
Há algum médico a ler-me por aí? : (

Revolta

Apesar de não conhecer a amiga da Tatas que está a passar pela terrível provação de um parto normal há 24 horas, sabendo que vai ter um bebé morto, a minha solidariedade está com ela e a minha revolta também.
Bem sei que são situações de dimensão diferente mas como é que é possível que para se fazer um aborto legal de um bebé não desejado as coisas sejam de uma simplicidade (até) excessiva e no caso de uma mãe que desejou o filho, que tinha tudo planeado, pronto para o receber, a façam ficar mais de 24 horas em trabalho de parto, indo já na 3ª epidural e não a deixando estar com a família? Esta rapariga corre o risco de ficar irremediavelmente marcada por isto, um crime que a poderá deixar com sequelas físicas e com toda a certeza psicológicas.
Julgo que deve haver uma explicação para que nestas situações os médicos insistam no parto normal, mas tem de haver um limite, tem de haver ética e sobretudo sensibilidade para pôr cobro a uma violência destas. Se passado "x" horas não consegue a expulsão do bebé que se faça uma cesariana, de preferência com anestesia geral. Nenhum trabalho de parto hoje em dia dura 24 horas, quanto mais o de um nado-morto.

As pessoas por vezes irritam-se quando eu digo (ainda recentemente acerca das escolas públicas ou privadas) que em algumas situações, pagando temos um melhor serviço. Aqui está a prova. Se esta rapariga estivesse num hospital privado, já lhe tinham tirado o bebé, não a obrigando a passar por isto.

quinta-feira, 9 de outubro de 2008

24 horas horas

Depois de ontem continua tudo  na mesma. 
: (

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Uma grande amiga minha de infância

Grávida de 36 semanas perdeu hoje o bebé.
Está no hospital à espera que lhe induzam o parto desde a tarde e dizem-lhe que só amanhã de manhã é que o irão fazer. Não deixam sequer o marido estar com ela.
Como é possível?
FODA-SE, QUE GRANDES FILHOS DA PUTA!
É o que me ocorre dizer, gritar para toda a gente ouvir, porque de resto nem sei que sentir, quanto mais o que fazer para ajudar : (

segunda-feira, 6 de outubro de 2008

Resultado da Sondagem


No jardim infantil, originally uploaded by juliana_way.

Resultado da sondagem Babygrows : Escola Pública ou Escola Privada.

Total dos votos: 53
Escola Pública : 67.9 %
Escola Privada: 32.1 %

E, sem grandes surpresas, ganha a escola pública. Digo "sem grandes surpresas" porque julgo que a maior parte das pessoas desejaria ter uma boa escola pública para onde os filhos pudessem ir estudar. Ou seja, por princípio quase toda a gente é adepto do sistema público, não só pela qualidade que sempre lhe foi associada (no meu tempo algumas escolas privadas eram bastante mal vistas) mas também por aquela ideia, com a qual não concordo totalmente, de que, só no ensino público é que as crianças contactam com a verdadeira sociedade, com outras raças, etc.

Do meu ponto de vista, esse contacto com a verdadeira sociedade é feito também no colégio privado, mas acima de tudo, é feito através do diálogo com os pais, do contacto com crianças no parque, no jardim, em colónias de férias, etc. No fundo, não pondo os nossos filhos numa redoma mas também não os atirar para um mundo cão com 6 ou 7 anos. Não quero com isto dizer que todas as escolas públicas são "um mundo cão", não acho que sejam. No entanto, há muitas que o são, não só pela falta de regras e disciplina mas sobretudo pelo contacto menos próximo que os professores tendem a ter.

Finalmente, a qualidade do ensino. Quem diz que "não é por pagar que o ensino é melhor" está enganado. O ensino é normalmente melhor para quem paga, porque, ao ser uma entidade privada, o lucro interessa e só há lucro se a qualidade se mantiver acima da média. Idealmente deveria ser assim? Não. Mas infelizmente é assim que as coisas funcionam. Se eu tiver possibilidades financeiras, os meus filhos irão para um colégio privado.

*A foto que ilustra o post: eu na pré-primária, com um ar muito chateado. Era uma escola pública. Hahahah

Antigamente


Eu e a minha irmã, originally uploaded by juliana_way.

Vestiam-nos de igual e dormíamos no mesmo quarto.
Quando mudámos de casa, foi complicado adaptarmo-nos a ter um quarto para cada uma.
Apesar da diferença de idades (3 anos e meio), conversávamos muito antes de adormecer e fazíamos parvoíces.

*E este papel de parede? Hein?
* As colchas de patchwork, tão na moda agora, foram feitas pela minha mãe!

Afinal

A primeira doença deste Minúsculo foi a Sexta!
O que vale é que desaparece mais rápido do que aparece, mas ainda deu para ficarmos o fim-de-semana de quarentena; 

um nu a baixar a febre e uma coxa, no sofá, a ver filmes e a comer cheerios : )

doentes a ver tv, originally uploaded by supertatas.

domingo, 5 de outubro de 2008

Depois da escola

Todo o santo dia 

chega a casa e corre para a bateria.

rock yeah!, originally uploaded by supertatas.

sábado, 4 de outubro de 2008

Nos diários de família que vou herdando

Encontro pérolas assim: Viagem de Portugal para o Congo (mais tarde Zaire, hoje Congo, outra vez, mas agora em formato República democrática, errrrr, dizem eles).
Embarcou no s/s Lourenço Marques no dia 30 de Setembro de 1946 em Lisboa com apenas dois meses de vida.
Foi alojada no camarote nº6 com o Pai e a Mãe.
Chegámos ao Porto de Leixões no dia 1 de Outubro onde desembarcou e foi dar uma volta de carrinho mais os Pais.
No dia 5 de Outubro tiramos uma fotografia no Funchal.


Tirámos uma fotografia em Santomé (S. Tomé, portanto) no dia 15 de Outubro.

Chegada a Luanda no dia 18 de Outubro de 1946.
Instalada na Mampeza casa de Avelino Silva.



Dia 22 partida de avião para Leopoldville (hoje kinshasa), um dakota bimotor, sempre bem disposta fez a viagem ao colo da mãe e na sua alcofa.
Chegada a Leopoldville às 5 e meia.


Nesta cidade demos vários passeios indo sempre a bebé. De Leopolville para Matadi viemos de comboio, uma viagem muito maçadora mas sempre bem disposta e muito risonha. Chegámos dia 4 de Novembro. (...)


Quem era a mãe que hoje em dia se metia numa aventura destas? :D

sexta-feira, 3 de outubro de 2008

Antigamente III


Avós, originally uploaded by juliana_way.

Os meus avós, na India, quando o meu avô esteve lá numa comissão militar.
"Na Índia sê indiano".
Quem diria que, anos mais tarde, também eu iria viajar para lá.

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

No seguimento dos posts da Sara...

Eu, que careta tão feia >:D

quarta-feira, 1 de outubro de 2008

Dá que pensar

O autor deste texto é João Pereira Coutinho, jornalista. Vale a pena ler.

'Não tenho filhos e tremo só de pensar. Os exemplos que vejo em volta não aconselham temeridades. Hordas de amigos constituem as respectivas proles e, apesar da benesse, não levam vidas descansadas. Pelo contrário: estão invariavelmente mergulhados numa angústia e numa ansiedade de contornos particularmente patológicos. Percebo porquê. Há cem ou duzentos anos, a vida dependia do berço, da posição social e da fortuna familiar. Hoje, não. A criança nasce, não numa família mas numa pista de atletismo, com as barreirasda praxe: jardim-escola aos três, natação aos quatro, lições de piano aos cinco, escola aos seis e um exército de professores, explicadores,educadores e psicólogos, como se a criança fosse um potro de competição.
Eis a ideologia criminosa que se instalou definitivamente nas sociedades modernas: a vida não é para ser vivida , mas construída com sucessos pessoais e profissionais, uns atrás dos outros, em progressão geométrica para o infinito.É preciso o emprego de sonho, a casa de sonho, o maridinho de sonho,os amigos de sonho, as férias de sonho, os restaurantes de sonho.
Não admira que, até 2020, um terço da população mundial esteja a mamar forte no Prozac.É a velha história da cenoura e do burro: quanto mais temos, mais queremos. Quanto mais queremos, mais desesperamos.A meritocracia gera uma insatisfação insaciável que acabará por arrasar o mais leve traço de humanidade.O que não deixa de ser uma lástima.

Se as pessoas voltassem a ler os clássicos, sobretudo Montaigne, saberiam que o fim último da vida não é a excelência, mas sim a felicidade!'

Antigamente II


Mãe, originally uploaded by juliana_way.

As mães pareciam actrizes de cinema..