segunda-feira, 13 de novembro de 2006

"Sabe, é a selecção natural"...

Ontem devido a fortes dores abdominais, entrei no Hospital de Santa Maria às 21.30. Na ala da Obstetrícia, uma enfermeira mandou-me deitar numa maca e esperar, porque os médicos tinham ido jantar há 20 minutos. Com certeza, eu espero...
10 minutos mais tarde:
(enfermeira) - Então querida? Está muito aflita? Quer que eu ligue aos médicos, é só porque eles foram jantar há tão pouco tempo.
(eu) - Eu não quero interromper o jantar a ninguém, mas estou com dores e estou preocupada, por isso se lhes pudesse ligar..
(enf) - Sabe, isso que está a ter devem ser contracções, pode acontecer....é a ordem natural das coias...há bebés que sobrevivem e outros que não. É o primeiro filho? (sim, respondi)... (ela dá um estalinho com a língua) Pois, primeiro filho...isso às vezes é mesmo a selecção natural, se estiver com contracções pode não ser nada como pode ser um aborto.

Eu pergunto, quem é que dá formação a estas pessoas? Esta enfermeira era até uma pessoa meiga e atenciosa e apesar de cientificamente correcta, ela não pode falar em aborto a uma mulher grávida de quase 4 meses, que está com dores e que quer ter o bebé. Há outras forma de preparar as pessoas para o pior.
Quandos os médicos vieram do jantar, fizeram-me uma ecografia, onde pude ver perfeitamente o bebé, a mexer os braços e com o coração a bater. Parecia que me tinham tirado um peso de cima.
Felizmente que não era nada, são apenas dores abdominais decorrentes do crescimento do útero ou uma possível infecção urinária cujo resultado só está pronto no final desta semana.
À meia noite saímos do hospital.
Assim vai a saúde em Portugal.

5 comentários:

supertatas disse...

é o que eu digo, isto é de dar em doida!!

patrícia disse...

É o que se chama de andar sempre de coração nas mãos :o)

super_ervilha disse...

A enfermeira anda a ver mts episodios do House MD :)

JL disse...

por mais desagradável que seja, não há outro nome para o que poderia acontecer... seria um aborto e não um parto. :|

Anónimo disse...

Meu Deus...
existem enfermeiras que deveriam ter um curso de relações humanas!