quarta-feira, 18 de junho de 2008

Reflexão

Quando decidi escrever com a Tatas este blog, nunca o considerei um "babyblog" no sentido estrito do termo. Aliás, é designação que me causa algum desconforto.
A opção de não mostrarmos fotografias onde se visse a cara dos nossos filhos foi assumida desde o início, no meu caso, com a justificação de que um dia que o meu filho queira a sua imagem divulgada, ele assim o fará. Mais ainda e sem entrar em paranóias, temo o uso abusivo das imagens por pessoas mal intencionadas.
Ultimamente li muita coisa sobre blogs de bebés, sobre as opções de pessoas que tornam os seus blogs privados, sobre outras que usurpam histórias e fotografias alheias. No meio de tudo isto, o que mais me perturbou foi a forma com as pessoas que escrevem blogs legítimos e reais se melindraram ao saber que andavam a comentar histórias inventadas.
A internet tem tudo de bom, é um instrumento poderosíssimo mas que pode cobrir este tipo de "taradinhos", que não passam disso mesmo, taradinhos. O que não percebo é porque é que se deu tanta importância aos tais dois ou três blogs que se revelaram uma farsa. Ou melhor, percebo e isso é que me choca.
As pessoas que comentavam os blogs em causa sentiram-se enganadas, ultrajadas por terem dado apoio, atenção e até por terem trocado e-mails com essas personagens fictícias. Com razão.
O que é curioso é a quantidade de frases do género "ah eu conheço-a, ela comentava o meu blog" ou "ela mandava-me fotografias da filha por e-mail".
Hoje em dia, nós dizemos que "conhecemos" alguém porque lemos o seu blog, porque acompanhamos a sua gravidez ou a sua vida. Isso é que é assustador. Eu conheço alguém com quem me relaciono, com quem bebo uma imperial e vou ao cinema. Apesar de frequentar dois ou três blogs da lista que está aqui ao lado, raramente comento (não por desinteresse mas por falta de tempo) não posso afirmar que conheço as pessoas que os escrevem.
Por outro lado, acho inconcebível como as pessoas se expõem nos blogs, como mostram fragilidades e confessam amores impossíveis. Não as julgo, apenas acho inconcebível que não pensem que um dia todas essas palavras as possam prejudicar.
Finalmente, a opção de tornar os blogs privados, convidando quem nós "conhecemos" da internet revela-se (sobretudo com estas histórias recentes) uma má política. A meu ver, um blog privado é para a família e melhores amigos porque podemos contar o que nos apetece. A partir do momento em que convidamos pessoas que nunca vimos e nem sabemos se são reais, estamos a correr um risco grave.
E foi só um desabafo. Não pretendo atingir ninguém até porque quem opta por colocar fotos dos filhos ou falar dos seus problemas mais pessoais, com certeza terá a sua justificação.

5 comentários:

Mamã Pirata disse...

Sei do que falas e sinceramente com 4 anos de "net" já pouca coisa me "comove".
Lamento pelo sucedido mas avante.

Quanto a privar ou não,publicar fotos e afins...cada um sabe de si.

E cá tenho "medo".

Bjs ao teu menino.

Sonia,Filipe e Guilherme disse...

Realmente também fiquei a pensar nisso. Obviamente que escrevemos, partilhamos experiencias...mas daí dizermos que conhecemos as pessoas que nos comentam....
Quanto a mim, só em jeito de desabafo, não torno o meu blogue privado pois até ao momento tem sido muito enriquecedor partilhar experiências. Tomei, desde o início, a decisão de nunca meter fotografias do Guilherme nu. Vestido meto várias mas sempre tentando manter confidenciais informações relativamente à nossa residência, etc.
Por enquanto é assim....o amanhã, logo veremos.
Muitos beijinhos

Patrice disse...

Não deixas de ter alguma razão nessa história de tornar o blog privado. Falo por mim, foi uma opção, mas tenho consciência de que é um risco que corro.
"Privatizei-o" por motivos pessoais, q deves calcular, mais do q propriamente pelo receio de expôr a minha filha. Não que isso não me assuste, é claro q sim. Ela é a minha vida! Mas não pensei mto nisso, confesso.

Quanto aos falsos blogs e afins... é como os mails de crianças desaparecidas, doentes etc. Fico sempre com a sensação de poder estar a ser injusta mas nunca os reenvio a não ser q tenha conhecimento da pessoa em causa.

Beijos

Belita disse...

Assino por baixo, no mundo dos blogs nós nunca conhecemos ninguém, até aquelas pessoas que nós vemos e falamos por vezes são desconhecidas!

Bjs

ritaR disse...

quem publica o que escreve pretende estabelecer pontes. encontrar e encontrar-se. como em tudo na vida, há aldrabões, ingénuos, resolvidos e misturas dos 3 ingredientes.
não?